27/01/16

“ O amor é assim … “ – Capítulo 14

 
  Bom dia meus amores, desculpem a demora a publicar o capítulo, como sabem tenho andado cansada e com muitas coisas para fazer, mas agora aqui está ele, espero que gostem e mais uma vez, mil desculpas.
Desejo-vos uma excelente Quarta-Feira.

No último capítulo:
Pai (Pedro)
  Hoje recordo quando ela caía e nem uma lágrima deitava, podia estar a doer-lhe muito que ela nunca dava parte fraca, quando doía ela sorria e dizia que já tinha passado.
O caminho para a polícia foi feito em silêncio mas eu ia a recordar a minha Margarida e o meu coração batia a um ritmo alucinante, só queria que isto fosse apenas um pesadelo e que ela estivesse bem.
********************************************************
Sofia (Mãe)
  Finalmente tínhamos chegado ao destino que pretendíamos, à polícia, só quero que aquele mostro pague por tudo o que a minha filha está a passar.
Entramos os três e mandaram-nos entrar numa sala, lá sentamo-nos e esperamos um pouco.
  Depois estivemos um pouco à conversa com um polícia que nos explicou que o Afonso ia sim pagar por tudo, mas que agora estava internado na ala de psiquiatria, pois o advogado dele alegou que ele não estava no seu estado “ normal”, mas que a justiça ia ser justa, que todos temos de ter pensamento positivo.
Não saímos da polícia satisfeitos, o medo que aquele mostro não pague pelo que fez à nossa Margarida é muito, mas nós vamos lutar para que a justiça seja feita.
  Entramos no carro e iniciamos de novo o percurso, mas desta vez com destino a casa dos meus pais, tínhamos combinado que íamos busca-los para eles irem ver a neta.

 – A justiça vai ser feita, tenha calma, Pedro.

 - Espero bem que tenhas razão, Rodrigo. (sorriu).

- Agora vamos é buscar os meus pais e vamos vê-la, que ela sim é o mais importante agora.

 - Tens razão mulher, vamos, só espero que tenhamos boas notícias no hospital.

 - Ela é uma vencedora, vai dar a volta por cima. – Disse Rodrigo transmitindo força aos pais.

 - Obrigado querido, tens sido um rapaz maravilhoso, a nossa filha tem sorte em ter um amigo como tu, sempre gostei muito de ti, mas agora estás a surpreender-me ainda mais.

 - Não precisa de agradecer Sofia, faço isto de coração e eu é que tenho sorte em ter a vossa filha como minha amiga.

 Os meus pais já estavam à porta de casa e sem mais tempo a perder entraram no carro e agora sim estávamos a ir finalmente para o hospital.
Quinze minutos depois estávamos na sala de espera, sentamo-nos um pouco pois ainda não estava na hora das visitas, decidimos quem ia primeiro, pois só é permitido 2 pessoas de cada vez.

 Avó (Maria)
  Desde que soube que a minha menina estava a lutar pela própria vida que fiquei sem chão, fiquei bastante preocupada, apesar de querer mostrar-me forte, tenho medo, não a posso perder, ela é tudo para mim.
Mal começaram a decidir quem ia primeiro, eu pedi para ir eu, o que eu mais preciso é de vê-la.
   Tudo isto pode alterar a vida dela para sempre, mas eu sei que ela vai ser forte e vai surpreender todos.

 - Muito obrigada por me deixarem ir em primeiro lugar. – Disse simpaticamente.

 - E eu vou consigo mãe, tenho a certeza que a Margarida quando acordar vai adorar saber que nós estivemos aqui todos juntos.

 - Ela é uma menina muito forte, sai ao avô. (sorriu)
 
- Já podemos ir vê-la mãe, vamos?
 
- Sim vamos a isso.
 
Sofia (Mãe)
  Dei a mão à minha mãe de forma a transmitir-lhe alguma força, eu estou a sofrer por ver a minha filha assim, mas sei que como avó está a sofrer tanto como eu.
Chegamos finalmente à porta do quarto dela, entramos, fixei o olhar na minha filha, parecia tão serena a dormir.
  Aproximamo-nos da cama, dei-lhe a mão e falei para ela, sei que não me ouviu, mas tinha essa esperança.
 
- Ela vai reagir filha, tem calma.
 
- Eu sei mãe, mas custa tanto vê-la assim.
 
- A nossa Margarida, ela sempre foi uma miúda que nunca parava, nem quando estava doente, uma pestinha, mas acima de tudo a nossa princesa e agora ela vai mostrar-nos a todos que continua a ser essa menina e vai ficar bem.
 
- Que Deus a ouça mãe.
 
- Vai ouvir sim. – Disse calmamente e com confiança.
 
Avó (Maria)
 Estava a falar com a minha filha, a tentar dar-lhe a máxima de força possível, quando olhei de repente e vejo a mão da minha netinha a mexer-se.
 
- Margarida querida, estás a ouvir-nos?
 
-Ela não a ouve mãe, infelizmente. – Disse tristemente.
 
- Filha, a mão dela mexeu-se.- Afirmou.
 
- Pode ser um sinal que ela está quase a acordar. – Sorriu.
 
- Vamos ter fé, vai tudo dar certo.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

9 comentários:

  1. Bom dia Catarinaa! :)
    Muito bom o capitulo, já estou a espera do próximo haha
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  2. Obrigado querida :D Então depois quero ver isso :D

    Uaaau! Estou a adorar a história :D quando sai o próximo capítulo? :D

    NEW OUTFIT POST | Look Like an Aviator
    InstagramFacebook Oficial PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ResponderEliminar
  3. Oh que fofo :) escreves muito bem

    ResponderEliminar
  4. Espero mesmo que tudo dê certo...

    ResponderEliminar
  5. Gostei. Pena que não li os anteriores.
    Abraço

    ResponderEliminar