07/07/16

“ O amor é assim … “ – Capítulo 18

  Bom dia, sim é mesmo verdade, voltei a escrever e hoje trago-vos finalmente um capítulo.
Desculpem a ausência de capítulos, mas só esta semana é que consegui organizar-me de forma a conseguir escrever.
  Quem nunca acompanhou a história ou quer rever os capítulos basta ir ao separador “ cantinho da leitura”.
Desejo-vos uma ótima Quinta-feira a todas/os.

                                                
No último capítulo:
Sofia (Mãe):
  Tal como a doutora pediu, eu, o meu marido e o Rodrigo saímos do quarto e deixamos a nossa Margarida com os meus pais, eles precisam de estar com a neta e sei que a presença deles lhe faz muito bem.
*********************************************************
Maria (Avó)
  Doía-me muito ver a minha querida neta a sofrer assim, ela não merece nada disto, sempre foi uma boa menina, o único erro dela foi apaixonar-se por aquele mostro do Afonso, mas infelizmente, não temos o puder de escolher quem amamos.

– A Avó vai estar sempre do teu lado querida. (sorri, enquanto a olhava nos olhos).

– Obrigada, gostava de me lembrar de todos, mas sei que são muito importantes para mim e eu com o tempo vou lembrar-me de tudo. (sorri)

José (Avô) – Claro que vais, pensamento positivo sempre minha flor.

– Agora tens é de descansar e não te preocupares com mais nada, prometes?

– Vou tentar, mas não queria ficar sozinha.

– Ficamos aqui contigo até adormeceres. – Disse-o de forma a acalma-la.

– Vocês são muito queridos, obrigada, eu tenho medo de ficar aqui sozinha, não sei a razão mas tenho.

Margarida
  Quando acabei de dizer aquela frase, sorri e lentamente fui fechando os olhos, tinha que descansar, eu tenho de ficar boa e ultrapassar esta fase menos boa da minha vida.
Quero tanto lembrar-me de tudo, de quem sou, das pessoas que são importantes para mim e principalmente por que razão eu estou aqui neste hospital.
  Adormeci e comecei a sonhar, estava de novo naquela praia e estava um rapaz comigo, mas não lhe conseguia ver a cara, comecei a correr e de repente vi alguém com uma faca apontava a mim.
Acordei aos gritos e a tremer.

– Calma querida, está tudo bem, a avó esta aqui contigo.

- Eu sonhei, tinha alguém com uma faca apontada a mim, é por isso que fui operada à barriga?

– Vá respira fundo, não te enerves, isso faz-te mal, o tempo vai-te dando as respostas que tanto procuras.

– Talvez tenha razão, mas irrita-me apenas me lembrar do sonho que eu tenho.

– Então diz-me lá que sonho é esse.

– Sei que quero ser médica. (sorri)

– Lá está uma coisa ótima, sempre disseste que querias ser médica.
                   
- Sim, a avó tem razão, mas podia-me ajudar a lembrar-me das pessoas.

- Ainda é cedo para isso, hoje precisas de repousar, seguir tudo o que a doutora disser, vais ter um longo caminho pela frente Margarida.
- Já estão fartos de me dizer isso, mas eu quero é sair daqui, eu devo ter uma vida fora daqui. – Berrou.

- Tens sim uma vida lá fora, mas primeiro está a tua saúde e depois é que estão as outras coisas.

- Seja como vocês quiserem. – Resmungou.

- Agora vou chamar o teu amigo que está lá fora e deve estar ansioso para te vir ver. – Sorriu.

- Amigo?

- Sim, aquele rapaz que há pouco esteve aqui.

- Ah sim, o tal Rodrigo.

- Ele é um bom rapaz. – Piscou o olho.

Maria (Avó)
  Saí do quarto e dirigi-me à sala de espera, contei o que tinha falado com ela e ficaram um pouco preocupados com a revolta da Margarida, mas compreende-se que seja difícil aceitar que não consegue andar, a vida dela vai mudar drasticamente, mas sei que ela vai ultrapassar isto e que no futuro apenas vai ser uma fase menos boa que passou na vida.
Disse ao Rodrigo para subir pois tinha-lhe dito que ia dizer para ele ir.


- Cucu, como está a princesa mais bonita deste hospital? – Riu-se.

- Já reparei que vieste tentar animar-me, mas aviso-te já que isso vai ser uma missão impossível.

- Sempre posso ajudar-te.

- Hum, ajudar-me. – Sorri

- Sim posso dizer-te quem sou.

- Pensando bem aceito a tua companhia, isto aqui é uma seca neste hospital.

- Então vamos começar.

- Começa. – Ri-me.

  - Chamo-me Rodrigo, tenho 18 anos como tu, conheço-te há mais de 10 anos, sou filho de uns grandes amigos dos teus pais, surfamos juntos, sim temos essa paixão em comum e também andamos juntos na primária na escola.
Afastamo-nos por uns tempos e foi recentemente que nos voltamos a reencontrar na praia.

- Então eu praticava surf? – Sorri.

- Certo. – Confirmou.

- Falas-te em praia, eu lembrei-me de algumas imagens na minha cabeça na praia …


  Espero que tenham gostado deste capítulo, mais uma vez desculpem pelo tempo em que não publiquei.


9 comentários:

  1. Adorei! Continua a história por favor..
    Beijinhos
    Mia
    https://my-world-vibes.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  2. Ainda bem que retomaste a história!

    r: Muito, muito obrigada *.*

    ResponderEliminar
  3. Tá tudo bem? Estranho não te ver...diz qualquer coisa. Beijinhos enormessssss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho andado um pouco ocupada :) mas está tudo bem comigo e contigo? beijinhos

      Eliminar
    2. Tudo bem miuda lindaaaaa!!!
      Tudo de bom para ti e continua ocupada que gosto de te ler assim :)
      Beijinho enormesssssss

      Eliminar
    3. Obrigada querida *_* Manda-me mensagem para a página do blog e se quiseres falamos lá :

      https://www.facebook.com/Apenas-a-Lua-467294013439100/


      Beijinhos :)

      Eliminar
  4. Vou precisar de um tempinho para ler os capítulos anteriores, já há bastante tempo que não vinha cá e por isso fui perdendo a história... Muito bem Catarina! :)

    ResponderEliminar